8 adaptações de livros que os autores detestaram

Descubra as 8 adaptações cinematográficas que transformaram obras literárias em desapontamentos para seus próprios criadores.

Quando um livro é transformado em filme, espera-se que esta nova vida na tela grande faça justiça à obra original. No entanto, nem sempre é isso que acontece. Em alguns casos, os próprios autores das histórias que encantaram milhões ao redor do mundo se encontram desapontados, e até mesmo enfurecidos, com as versões cinematográficas de seus trabalhos. Aqui estão oito adaptações de livros que não só falharam em capturar a essência dos textos originais, mas também ganharam o desdém de seus criadores.

Créditos: Reprodução.

Stephen King e O Homem do Cortador de Grama

Stephen King, um nome sinônimo de terror e suspense, viu muitas de suas obras adaptadas para a tela, mas nem todas elas receberam seu selo de aprovação. O Homem do Cortador de Grama é um exemplo notório, com King indo tão longe a ponto de processar a New Line Cinema para remover seu nome do projeto. O filme, que pouco tinha a ver com o conto original de King, é um dos muitos exemplos de adaptações que desagradaram ao mestre do terror.

Alan Moore e V de Vingança

O lendário autor de quadrinhos Alan Moore tem sido vocal sobre sua insatisfação com as adaptações cinematográficas de seu trabalho. V de Vingança, apesar de ter se tornado um filme cultuado, é apenas uma das obras de Moore que ele acredita não terem sido fiéis à visão original. Moore critica o filme por simplificar e alterar detalhes cruciais da trama, diluindo a mensagem política e social presente na graphic novel.

Bret Easton Ellis e Psicopata Americano

Psicopata Americano de Bret Easton Ellis é um romance que chocou e fascinou leitores com sua crítica mordaz à vaidade e superficialidade dos anos 80. Embora a adaptação cinematográfica tenha ganhado um status cult, Ellis possui sentimentos ambivalentes sobre ela. Ele reconhece o humor pesado do filme, mas sustenta que a obra não necessitava de uma versão cinematográfica, criticando a tentativa do filme de introduzir ambiguidade no final.

Lois Duncan e Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado

Transformar um romance de suspense para jovens adultos em um slasher movie foi uma escolha ousada que desagradou profundamente Lois Duncan. A autora ficou “chocada” ao ver sua história sobre culpa e consequências transformada em uma carnificina, desviando-se drasticamente do tom e intenção do livro original.

Veja também:

J.D. Salinger e Meu Coração Tolo

J.D. Salinger, famoso por seu recluso estilo de vida e por O Apanhador no Campo de Centeio, viu um de seus contos, Tio Wiggily em Connecticut, ser adaptado para o filme Meu Coração Tolo. Descontente com a liberdade criativa tomada pelos cineastas, que alteraram significativamente a história, Salinger jurou nunca mais permitir adaptações de suas obras.

Agatha Christie e Assassinato no Galope

Agatha Christie, a Rainha do Crime, raramente ficava satisfeita com as adaptações cinematográficas de seus meticulosos mistérios. Assassinato no Galope é um exemplo de como sua icônica Miss Marple foi transformada em uma figura cômica pela atriz Margaret Rutherford, algo que Christie não apreciava.

Créditos: Reprodução.

Roald Dahl e A Fantástica Fábrica de Chocolate

Roald Dahl é outro autor que viu uma de suas histórias mais queridas ser transformada de maneira que não aprovava. A Fantástica Fábrica de Chocolate desviou-se tanto do livro A Fantástica Fábrica de Chocolate que Dahl ficou desapontado, especialmente com a mudança de foco para Willy Wonka e a escolha de Gene Wilder para o papel.

Susanna Kaysen e Garota, Interrompida

As memórias de Susanna Kaysen sobre sua experiência em uma instituição psiquiátrica foram a base para Garota, Interrompida. Embora o filme tenha sido bem-recebido, Kaysen criticou a adaptação por melodramatizar e inventar elementos da trama que desviavam significativamente de sua experiência real.

Cada uma dessas histórias destaca um elemento fundamental do processo criativo: a interpretação é inerentemente subjetiva. Enquanto os autores criam com uma visão específica em mente, cineastas podem ver uma direção completamente diferente para essas narrativas. Essa tensão entre o original e a adaptação é uma lembrança de que, no final das contas, a arte é um diálogo nem sempre harmonioso.

você pode gostar também